análise de crédito
Como a análise de crédito pode tornar a sua empresa mais competitiva
18/02/2019
ideias para trabalhar por conta própria
Home office: ideias para trabalhar por conta própria sem sair de casa
04/03/2019

Como calcular o preço do serviço para não perder dinheiro?

calcular o preço do serviço

Controlar os custos e avaliar a lucratividade são fatores essenciais para garantir a saúde financeira do seu negócio.

Muitos empresários afirmam que trabalham, trabalham mas não conseguem enxergar um resultado positivo no caixa da empresa. Entre os fatores que colaboram para isso, não saber como calcular o preço do serviço é um dos mais recorrentes.

Se você também tem passado por estes apertos, não se preocupe. Neste artigo reunimos algumas dicas que podem te ajudar. Vamos te ensinar as bases desse cálculo para que você saiba definir o seu preço de venda e possa lucrar com isso.

Conhecendo os elementos principais que formam o preço

Para saber como calcular o preço do serviço você precisa, primeiro, entender as variáveis que dão origem a ele. Aí vão eles:

Custos variáveis

São aqueles que variam diretamente com relação a quantidade de vendas.

Talvez você revenda produtos. Neste caso, quanto maiores forem as suas vendas, mais produtos você vai precisar comprar. Mais deslocamentos vai ter que fazer, mais embalagens vai ter que ter e daí por diante.

Se você trabalha com serviços a mesma coisa. Quanto mais atendimentos realizar, mais material de trabalho vai usar, mais vai se deslocar, mais refeições fora de casa vai ter que fazer.

É importante lembrar que impostos e comissões também fazem parte dos custos variáveis. Não esqueça de incluí-los nesta conta.

Custos fixos

Os custos fixos não se alteram com relação ao volume de produção ou de vendas. No entanto, isso não quer dizer que eles serão sempre iguais. Esses custos também podem aumentar ou diminuir, mas não se alteram se as vendas ou a sua produção aumenta ou diminui.

São custos que, mesmo que você não venda ou produza nada, ainda assim, ao final do mês vai ter que arcar com eles. O valor do aluguel, da água, da energia elétrica, da manutenção dos equipamentos, do veículo, o salário dos funcionários são alguns exemplos.

O seu pró-labore, ou seja, o seu salário é outro exemplo de custo fixo que você não pode deixar de fora. Já falamos por diversas vezes aqui no blog sobre os perigos de misturar as contas pessoais com as contas da empresa, por isso, muito cuidado!

Antes de prosseguir, vamos fazer um cálculo?

Agora que você já sabe as definições do que são custos fixos e variáveis, vamos fazer uma conta rápida para ver se você está sabendo como calcular o preço do serviço:

Digamos que você é um eletricista e cobra R$ 50 a diária de trabalho. Os materiais que você usa como cabos, lâmpadas, interruptores você cobra à parte. Nessa realidade, será que o preço que você está cobrando está adequado?

Para saber a resposta, vamos exemplificar esse cálculo.

Digamos que nos custos variáveis  – incluindo a sua gasolina, a alimentação e alguns itens de trabalho – você gaste R$ 10.

Não esqueça que você tem também custos fixos a acrescentar nessa conta. Somando os custos que você tem – incluindo a compra de novos materiais, uniforme, manutenção do carro, seu salário,etc. – esse total soma R$ 1.600 por mês.

Assim, temos a seguinte conta:

Custos variáveis:

R$ 50 ( valor da sua diária de trabalho) – R$ 10 (seus custos variáveis) = R$ 40

Custos fixos

R$ 1.600 / R$ 40 = 40 serviços no mês, é o que você precisa pra ficar no zero a zero, sem lucro. Será que é possível?

Bem, se você leva um dia para executar esse serviço, e o mês tem 22 dias úteis em média, já dá para perceber que algo aí não está certo. Afinal, você não vai ter dias no mês suficientes para realizar todos os serviços que precisa.

Quando isso acontece, é porque o seu preço está muito baixo ou o seu custo fixo está muito alto. Por isso, precisa reavaliar esses números para que você consiga ficar com o saldo positivo no caixa.

Margem de lucro

A margem de lucro é aquilo que sobra no caixa da empresa, depois de você pagar todos os custos variáveis e os fixos. Ou seja, é o quanto você deseja receber acima dos valor de custo da produção dos seus serviços.

Bem, se tomarmos como base os cálculos que fizemos anteriormente, você vai perceber que não daria para ter lucro nestas condições.

Mas, digamos que você se debruçou sobre os seus números e conseguiu baixar os custos fixos e ainda, reajustou seus preços. Vamos ver se com essas alterações agora você consegue fazer o seu dinheiro render?

R$ 60 ( Seu preço de venda) – R$ 10 (custos variáveis) = R$ 50

R$ 1.000 (custos fixos – lembre que você conseguiu baixá-los) – R$ 50 = 20 serviços no mês para ficar no zero a zero.

Fazendo esses ajustes, você tem duas possibilidades para ter lucro. Pode aumentar o número de serviços prestados mês ( acima do mínimo de 20 serviços mês, o que vier é lucro) ou aplicar um percentual que pode variar de 30%, 40% e até 100% no seu preço de venda.

Mas lembre-se, que para pagar mais pelo serviço, o cliente precisa enxergar os benefícios que você oferece. Do contrário, ele vai fechar o serviço com o concorrente que cobra mais barato.

E aí? Gostou de saber como calcular o preço do serviço para não perder dinheiro? Se o artigo foi útil, continue com a gente. No nosso blog você encontra outras dicas valiosas para fazer o seu negócio progredir. Confere lá!